À descoberta de novos caminhos

Na mina de Brønnøy Kalk, na Noruega, estão a ser testados camiões Volvo FH autónomos, transportando calcário num percurso de cinco quilómetros. Esta é a primeira solução autónoma da Volvo Trucks em ação real. O objetivo é melhorar significativamente a produtividade e a segurança da mina.

A primeira solução autónoma da Volvo Trucks em ação real.

Um Volvo FH autónomo na pedreira de calcário de Brønnøy.

“Ter a tecnologia a trabalhar para nós permite-nos ter liberdade. Por exemplo, as máquinas podem trabalhar quando queremos dormir”, diz Raymond Langfjord, Diretor Executivo da Brønnøy Kalk, quando reflete sobre a possibilidade de introdução faseada de tecnologia automatizada na vasta pedreira nesta costa remota da região oeste da Noruega. A paisagem incrível é o cenário para uma tarefa difícil, com os camiões constantemente a percorrerem sinuosos caminhos de terra entre a pedreira e o local do triturador, em Velfjord.

Raymond Langfjord

Raymond Langfjord, Diretor Executivo da Brønnøy Kalk.

No ano passado, foi assinado um acordo histórico entre a Brønnøy Kalk e a Volvo Trucks. Desde dessa altura, foram testados camiões Volvo FH automatizados, transportando o calcário extraído por túneis entre a mina e o triturador, que se encontra num porto nas proximidades, onde o calcário é carregado em navios de grandes dimensões. Pretende-se que os camiões automatizados estejam totalmente operacionais até ao outono. Em vez de adquirir os veículos autónomos, a Brønnøy Kalk está a adquirir à Volvo Trucks uma solução de transporte completa e personalizada, mais especificamente o transporte autónomo de calcário entre dois pontos. Os camiões autónomos são controlados pelo operador da carregadora de rodas, através de um sistema de gestão no estaleiro.

Segundo Raymond Langfjord, a oportunidade para a mina ao nível de desafios de produtividade, flexibilidade e segurança é a principal razão para adotar uma solução autónoma. “Estamos a pensar numa perspetiva a cem anos. Atualmente, temos uma operação manual de dois turnos em produção e manutenção, enquanto os navios que exportam o calcário são carregados 24 horas por dia, todos os dias. Ter a oportunidade de transportar o calcário de forma autónoma a qualquer hora do dia pode melhorar significativamente as nossas operações.”

Volvo FH a descarregar

Os camiões autónomos descarregam o calcário extraído para um triturador de mandíbulas que se encontra num porto nas proximidades. A partir daí, é carregado em navios de grandes dimensões.

Raymond Langfjord começou a trabalhar na minha da Brønnøy Kalk em março de 2006. Subindo a pulso, o seu primeiro trabalho foi como operador de máquina e auxiliar de rebentamento na mina, transportando baldes de gravilha para encher os furos com a carga antes do rebentamento. Com o passar dos anos, aumentaram as responsabilidades e funções como capataz e Diretor de Produção levaram à nomeação para o atual cargo de Diretor Executivo em janeiro de 2017. “Tenho experiência a todos os níveis e conheço muito bem os diferentes processos. Isso ajuda a reconhecer os desafios a longo prazo que enfrentamos.”

Um dos maiores problemas da Brønnøy Kalk é o facto de a mina encontrar num país com elevados custos, tendo de competir num mercado global. Isso significa que existe um esforço constante para ter mais competitiva e, em 2015, a Brønnøy Kalk iniciou debates internos no sentido de melhorar os métodos de trabalho. Depois de formar um grupo de projeto, contactou várias entidades, incluindo a Volvo Trucks. Com a Volvo Construction Equipment também incluída no processo, foi estabelecido um contacto firme e iniciada uma troca de ideias relativamente a soluções autónomas exequíveis. Desde então, um diálogo próximo contínuo entre as partes ajudou a aumentar a confiança na mina.

A relação tem sido fantástica desde o primeiro dia. A Volvo Trucks não iniciou o diálogo com uma abordagem comercial.

Raymond Langfjord

Diretor Executivo na Brønnøy Kalk

Volvo FH num túnel

Para ir da mina ao triturador de mandíbulas, os camiões autónomos percorrem um percurso de cinco quilómetros. A maior parte do percurso é constituída por dois longos túneis, com 3,5 quilómetros e 800 metros de comprimento respetivamente.

“Claro que ainda não temos todas as respostas. É preciso acreditar que conseguiremos trabalhar em conjunto para encontrar soluções para os desafios. A relação tem sido fantástica desde o primeiro dia. A Volvo Trucks não iniciou o diálogo com uma abordagem comercial. Não foi uma questão de custos, lucros ou contratos; foi sim saber o que poderia funcionar para nós, na Brønnøy Kalk. Não existiram objetivos escondidos e conseguimos avançar juntos para que a tecnologia e a criatividade se destacassem.”

Raymond Langfjord defende que a utilização de uma solução autónoma também aumentará a segurança. A maior parte do transporte na mina envolve túneis e, em agosto de 2018, um camião incendiou-se quando descarregava no local do triturador. Felizmente, o estaleiro está numa área aberta e ninguém ficou ferido, mas a quantidade de calor e energia produzidas foi um duro aviso de que um acidente deste tipo num dos túneis poderia ser fatal. Para além deste risco, também foram muitos os outros desafios a superar para que colocar os camiões autónomos a funcionar na perfeição. Por um longo período de tempo, a equipa de automatização da Volvo Trucks testou a solução remotamente na sede em Gotemburgo, para que as modificações fossem implementadas mais rapidamente. A equipa também realizou testes ao vivo regulares na mina. 

Volvo FH a sair do túnel

O Volvo FH sai do primeiro túnel e, pouco depois, entra no seguinte.

Raymond Langfjord está completamente dedicado ao futuro da Brønnøy Kalk e ao potencial proporcionado pela autonomia. “O passo seguinte para nós deverá ser uma abordagem completamente elétrica. Honestamente, não sei como serão as coisas no futuro. A tecnologia é nova e sabemos que vão existir percalços. Mas, desde o início, a Volvo Trucks teve uma abordagem de abertura. Sempre que surgiu um problema, resolveram-no. Isso dá-nos confiança para acreditar que tudo correrá bem. Os nossos valores e as nossas reputações conjugam-se na perfeição.”

Volvo FH autónomo em ação na mina de Brønnøy

Se tudo correr como esperado, os camiões autónomos estão a trabalhar na plenitude, dia e noite, a partir do outono de 2019, aumentando, assim, a produtividade da mina.

Brønnøy Kalk AS

História: A Brønnøy Kalk AS foi fundada em 1997. Pertencia à Norsk Mineral AS, uma empresa privada familiar com raízes na indústria mineral desde 1948. 

Serviços: A empresa especializou-se na extração de calcário, que, entre outras coisas, é utilizado no fabrico de pigmentos para a indústria internacional do papel. 

Fundada em: 1997.

Proprietário: Norsk Mineral AS. 

Número de funcionários: 50. 

Carga: Calcário. 

Número de camiões Volvo autónomos: 6.

Número de carregadoras de rodas: 4.