O mesmo camião – Mundos distintos

Desde 1993, o Volvo FH trabalha para empresas de todo o mundo. Este é um camião que se adapta às necessidades dos transportadores do extremo norte de Svalbard e dos desertos quentes da Arábia Saudita. 

Volvo FH numa paisagem desértica e gelada

Sejam quais forem as condições climatéricas extremas, o Volvo FH está sempre à altura.

"Vivo com a Volvo – para o bem ou para o mal!", palavras ditas com um sorriso nos lábios. Knut Vebostad, Diretor da Vebostad Transport AS, gosta mesmo dos seus seis camiões Volvo FH. Quando chegou a altura de deixar de ser motorista e começar uma empresa, a escolha foi fácil. "Sempre com a Volvo a meu lado."

Knut Vebostad começou o seu percurso no setor os transportes no norte da Noruega, em Borkenes. "Quando se cresce naquela zona, não se pensa que as estradas são geladas ou sinuosas. Simplesmente se aprende a colocar correntes de neve quando é necessário. Na verdade, assustaram-me mais as primeiras vezes que passei na autoestrada que passa por Oslo." 

Volvo FH numa paisagem desértica e gelada

Knut Vebostad é um verdadeiro entusiasta da Volvo.

A Vebostad Transport especializou-se em transportes em asfalto e gravilha. Muitas cargas pesadas que realmente colocam o Volvo FH à prova. Mas as funcionalidades do camião sobressaem.
"A Elevação do eixo Tandem é fundamental para quem trabalha com transportes de construção. Quando se conduz sem carga, poupam-se 10-12% de combustível. E reduz-se o desgaste dos pneus”, diz Knut Vebostad.
A I-Shift com velocidades super-lentas também ajuda em termos de potência e desempenho quando se prefere uma velocidade baixa constante.
"E a Direção Dinâmica Volvo. É algo verdadeiramente único. Uma sensação completamente nova", diz Knut Vebostad.

E como se não bastassem os desafios das estradas Noruega continental, a Vebostad Transport também trabalha em Svalbard, um dos locais inóspitos mais a norte do mundo. Durante o verão, a Vebostad tem um Volvo FH a trabalhar em transportes de construção rodoviária nas ilhas do arquipélago do Oceano Ártico.
"Colocamos o camião num cargueiro. Depois, vamos para lá de avião uns dias depois, diz Knut Vebostad.
É um Volvo FH 540 de 2013. Chamamos-lhe o nosso "trator de aço". Foi o primeiro camião que comprámos para a empresa."

O clima quente dos desertos da Arábia Saudita está no plano oposto dos climas extremos. Mas o Volvo FH também lá faz muito bem o seu trabalho. A Sharbatly Fruit, em Jeddah, comercializa frutos e vegetais frescos na região há mais de 60 anos. A empresa tem uma cadeia de logística precisa para manter os produtos refrigerados durante todo o transporte.
"Basicamente, a fruta nem sequer sente o clima quente da Arábia Saudita". Exceto quando é entregue diretamente no mercado", diz Hashim M Sharbatly, Diretor-Geral Adjunto da Sharbatly Fruit.

Homem à frente do camião Volvo FH

O Volvo FH tem de atravessar o grande deserto com temperaturas que ultrapassam os 50 graus Celsius e tempestades de areia que colocam o camião à prova.

Para conseguir essa cadeia de logística sem quebras, a empresa tem de confiar no camião. Para o transporte de Jeddah para Dammam, o Volvo FH tem de atravessar todo o reino, passando pelo grande deserto.
"São mais de 2.800 quilómetros para ir e voltar", diz o motorista Reynaldo Garcia.
Os desertos podem ser implacáveis, com temperaturas que ultrapassam os 50 graus Celsius e tempestades de areia que colocam o camião à prova. Mas o Volvo FH resiste a tudo.
"Temos camiões que fazem um milhão de quilómetros sem mudar qualquer peça. Isso inclui a embraiagem e os travões. Estamos, portanto, contentes ao nível da qualidade", diz Daanie Zeyman, que gere a oficina de camiões da Sharbatly.

A enorme capacidade do Volvo FH para fazer um bom trabalho em todo o mundo equipara-se à enorme admiração que os utilizadores têm em relação ao camião.
"O camião pode sempre melhorar. Mas não tenho dúvida de que o Volvo FH é o melhor disponível. Conduzimos o melhor camião!", diz Knut Vebostad.
"É confortável. Muito rápido e muito forte. Posso dizer é o camião mais perfeito do mundo", diz Reynaldo Garcia.

Related News