Onde a natureza domina

As estradas do sudoeste da Noruega estão entre as mais difíceis do mundo. Quando se conduz um conjunto de 50 toneladas com uma carga de peixe vivo em aquários com água, a complexidade passa a extrema.

Conduzir no sul da Noruega.

A paisagem no sudoeste da Noruega, mas, para os motoristas de camiões, é potencialmente perigosa, dado que não se mantêm concentrados.

"As estradas norueguesas não têm comparação com nenhuma outra coisa. Não é certamente um bom local para sonhar acordado; é preciso estar totalmente concentrado", diz o motorista de transportes especiais Jarle Tveiten, com os olhos colados à estrada enquanto faz uma curva apertada.

Quando estava a começar a conduzir camiões, o transporte de peixes era simplesmente o que me interessava. Trabalhar com animais vivos certamente torna o meu trabalho muito mais interessante.

Jarle Tveiten

Proprietário e motorista de camiões, Jarle Tveiten Transport AS

Estrada estreita

Em alguns locais, as estradas são demasiado estreitas para passarem dois veículos, sendo que a única solução é que um deles recue até ponto de paragem mais próximo.

A paisagem em que conduz é deslumbrante, sendo um destino turístico popular devido às muitas montanhas, cascatas e fiordes profundos. Mas, para os motoristas, a beleza pode enganar. As estradas estreitas e sinuosas estão em mau estado, existindo um risco elevado de queda de pedras. No outono e no longo e frio inverno, o tempo torna-se rigoroso com muita chuva, neve e gelo, sendo que, no verão, os turistas a tirar fotografias podem aparecer de repente no final de uma curva, imprudentemente parados no meio da estrada. Em alguns locais, as estradas são demasiado estreitas para passarem dois veículos, sendo que a única solução é que um deles recue até ponto de paragem mais próximo.

"Algumas pessoas têm pavor de conduzir aqui. Por vezes, tenho de parar o camião parar sinalizar o trânsito e também ajudar pessoas a fazer marcha-atrás para conseguirem seguir caminho. Ao conduzir nestas estradas, é preciso cooperar no trânsito", diz Jarle.

Jarle Tveiten

Jarle Tveiten, proprietário e motorista de camiões, Jarle Tveiten Transport AS, passou 30 anos a transportar peixes por toda a Europa.

Mas parar o seu camião Volvo FH16 750 não é algo que goste de fazer sem necessidade. O seu reboque transporta aquários com água personalizados cheios de peixes vivos que podem morrer em cinco minutos se não tiver cuidado. Os peixes são muito valiosos, sendo que a carga de alabotes jovens que está a transportar atualmente vale cerca de 400.000 euros. Devido às rigorosas regras de seguros e regulamentações de proteção dos animais, um momento de descuido pode ter graves consequências para o seu negócio. Assim, para além da estrada, também precisa de estar atento ao sistema de vigilância, junto ao painel de instrumentos, que indica as condições dos aquários como o nível de oxigénio, o valor do ph e a temperatura. É uma tarefa difícil que leva algum tempo a dominar, mas, com 30 anos a transportar peixes, Jarle é um verdadeiro especialista. Durante os primeiros anos na indústria, transportou peixes por toda a Europa para países como Espanha, Portugal, Grécia, as ilhas Shetland e Escócia. Isso deu-lhe a experiência de que precisava para expandir a sua empresa de transportes de um negócio com um só motorista e um só camião para um dos principais transportadores de peixe vivo. Há já muitos anos que o seu negócio se centrou na Noruega e na Suécia, estabelecendo-se como um dos melhores na sua área de especialização. Mas, apesar de ter agora um total de 10 camiões Volvo e empregar vários motoristas, continua a fazer-se à estrada para efetuar entregas. Os peixes de hoje serão transportados até Rørvik, em Trøndelag. Para lá chegar, tem de apanhar o ferry entre Jondal e a sua pequena aldeia de Tørvikbygd, junto ao fiorde de Hardanger, onde viveu toda sua vida. À medida que se aproxima do porto, aponta para o fiorde junto à casa onde cresceu, a apenas cinco metro do cais.

Conduzir em subida

A Jarle tem camiões com eixos tandem com espaço para sete correntes de neve, essenciais para conduzir nas estradas norueguesas no inverno.


"Costumava deitar-me no cais ali e pescava horas a foi quando era um miúdo. O meu pai também adora pescar e o jantar era peixe quase todo o ano. Quando estava a começar a conduzir camiões, o transporte de peixes era simplesmente o que me interessava. Trabalhar com animais vivos certamente torna o meu trabalho muito mais interessante", diz Jarle com um sorriso.

Apesar de Tørvikbygd ser uma pequena aldeia, transformou-se num importante ponto de passagem devido ao ferry para Jondal, a partir de onde existem ligações para o este e o sul da Noruega. O tráfego sobre o fiorde aumentou drasticamente nos últimos anos, sendo que, atualmente, um impressionante número de 25.000 a 30.000 veículos atravessam todos os meses. Jarle apanhou este ferry milhares de vezes. 

"Ser um motorista aqui significa que é preciso ajustar-se à estrada e à natureza. Temos de atravessar o fiorde para chegar quase todos os destinos e aprendemos a viver com isso. Às vezes, tenho de apanhar até sete ferries numa só entrega", diz enquanto entra no ferry com o camião.

Mãos cheias de peixe

A Jarle Tveiten Transport AS transporta sobretudo salmões, trutas e bodiões juvenis para explorações piscícolas norueguesas. As suas remessas estão sujeitas a rigorosas regulamentações de proteção dos animais.

A viagem demora cerca de vinte minutos. Ao desembarcar, a sua concentração aumenta enquanto continua na estrada principal sete, uma estrada que liga a cidade de Bergen a Oslo. Não é reparada há anos e está cheia de alcatrão em mau estado e buracos. Vinte quilómetros mais à frente fica ainda mais perigosa, com a montanha a subir num lado e o fiorde subitamente a centenas de metros de profundidade no outro. A proteção que separa a estrada do precipício tem apenas meio metro de altura, o que faz com que seja fácil para um carro capotar e cair à água. 

"Este é um troço muito traiçoeiro. Quando se conduz há tanto tempo como eu, já se viu como pode ser realmente mau. Já passei por acidentes mortais e já vi pessoas mortas. Fica-se a pensar: conduzo de forma a evitar isto?", diz Jarle, acrescentando:

"Felizmente, a minha carga faz com que conduza de uma forma defensiva. Por outro lado, depois de todos estes anos, ficamos habituados a conduzir em maus pisos. Ainda assim, quando me sento no meu camião e começo a utilizar estas estradas como local de trabalho, gostava que fossem mais seguras".

A assistência e a manutenção são muito importantes nestas estradas. Se os camiões avariarem, preciso de ajuda rapidamente ou ficarei em apuros.

Jarle Tveiten

Proprietário e motorista de camiões, Jarle Tveiten Transport AS

Jarle Tveiten a pescar

Para Jarle Tveiten, um dia normal de trabalho raramente tem menos de 12 horas. "Não é apenas um trabalho, é um estilo de vida", diz.

Ainda que as estradas sejam difíceis e perigosas, Jarle diz que as melhorias tecnológicas dos camiões tornaram o seu trabalho muito mais fácil agora do que quando começou o seu negócio com um camião Volvo usado, há tantos anos atrás. Atualmente, já não se preocupa antes de uma viagem, dado que o seu Volvo FH16 faz da condução uma experiência completamente nova em termos de segurança e conforto. Também não prescinde de um contrato Gold com Volvo Action Service, já que as estradas difíceis significam que os seus camiões se desgastam mais rapidamente em comparação com o resto da Europa. 

"A assistência e a manutenção são muito importantes nestas estradas. Se os camiões avariarem, preciso de ajuda rapidamente ou ficarei em apuros. Sempre tive uma boa relação com o pessoal da Volvo e é por isso que sempre fui fiel à Volvo", diz ao mesmo tempo que para o camião para esperar que um veículo de passageiros faça marcha-atrás.

O Volvo FH da Sanfridssons

Muitas das estradas em que Jarl Tveiten tem de conduzir podem ser difíceis e perigosas, mas os melhoramentos tecnológicos que se verificaram ao longo dos anos significam que o seu trabalho é agora muito mais seguro e fácil do que quando começou.


Está quase a passar a pior parte do percurso e vai prosseguir, primeiro pela estrada 50 e depois pela estrada 52, até chegar a Otta, de onde continuará até ao destino final, Rørvik em Trøndelag. Ele explica que o transporte de hoje é uma remessa menos habitual, dado que a maioria das suas cargas consiste em truta marisca e salmão juvenil para as grandes explorações piscícolas da Noruega. Também transporta muitos bodiões, um tipo de peixe que come parasitas e que é utilizado pelas explorações para evitar que outros peixes fiquem doentes.

O interesse de Jarle pelos peixes que transporta aumentou com o tempo, sendo que está sempre a melhorar os seus camiões e aquários em estreito diálogo com os clientes. Para além dos transportes e de gerir uma empresa, também tem projetos diferentes e tem estado envolvido no processo de desenvolvimento do sistema de norueguês de regulamentação do transporte de peixes. Um dia de trabalho normal raramente tem menos de doze horas e costuma ser muito mais longo. Confessa que a sua esposa e três filhos sofreram um pouco com isso, mas que se habituaram a que trabalhe constantemente muitas horas.

"Já tenho 60 anos. Devo dizer que foram muitos longos dias e muitos desafios. Não voltaria a ter a energia para fazer tudo de novo. Não é simplesmente um trabalho, tornando-se um estilo de vida. Mas desfrutei de cada momento."

Related News

A grande entrega

Uma das maiores máquinas de embalagens de papel está a ser atualmente construída na Suécia. O motorista austríaco Roland Lehbrunner teve de fazer uma longa viagem para entregar dois silos com 22 metros de comprimento no estaleiro de Grums....

Aquecer a Islândia

Na Islândia, a empresa transportadora Jón og Margeir EHF está envolvida num ambicioso projeto geotérmico que assegura que os habitantes do país dispõem de água quente para aquecimento doméstico. Os seus Volvo FH com gruas de 38 metros têm-se revelado ...