Mestre da floresta

Foi o vice-campeão da final mundial do Volvo Driver Challenge deste ano, sendo um verdadeiro mestre da condução económica. O motorista e o proprietário de camiões de transporte de madeira Bert "Knatte" Johansson sabe como tirar o máximo partido de cada gota e dos seus camiões Volvo. 
Transporte de madeira na Suécia.

30 anos a conduzir conjuntos de 64 toneladas em estradas sinuosas de florestas tornaram Bert "Knatte" Johansson altamente qualificado em condução de precisão.

Está um belo dia de outono nas florestas profundas da Suécia central. Bert Johansson, também conhecido como "Knatte", uma alcunha que tem desde pequeno, está sentado na sua cabina com grua. Está ocupado a carregar 60 toneladas de madeira e a grua de oito metros move-se rapidamente e com precisão. A garra da grua, que habilmente segura e levanta a madeira da pilha no chão até ao reboque do camião, move-se como se fosse uma extensão da mão de Knatte.

Temos de estar constantemente atentos à eficiência do combustível e otimizar o consumo, dado que conduzimos sempre com carga máxima.

Bert "Knatte" Johansson

Motorista e transportador

Depois de 30 anos como motorista de transporte de madeira, Knatte sabe exatamente como os troncos devem ser colocados no reboque e como navegar da melhor forma pelas estradas sinuosas da floresta para recolher as cargas. O trabalho diário de manobras em espaços apertados tornou-o qualificado em condução de precisão, ganhando várias competições ao longo dos anos no salão automóvel anual de Elmia, na Suécia. Em 2009, também ganhou ou o concurso Super Eco Driver da Volvo, uma competição em que baseou o atual Driver Challenge, ficando este ano em segundo lugar na final mundial contra 32 concorrentes de outros países. Muitos dos outros concorrentes que lutaram pelos lugares cimeiros na final sueca também são motoristas de transporte de madeira e Knatte tem uma teoria que explica porque ele e os seus colegas do setor têm um desempenho tão bom.
 

Bert Johansson na floresta

Bert "Knatte" Johansson acredita que não é coincidência o facto de muitos dos finalistas mundiais do Driver Challenge trabalharem no setor do transporte de madeira. "Como motorista de transporte de madeira, ficamos a saber onde estão exatamente os cantos do camião e onde está o reboque."

Carregar madeira

Knatte tinha 19 anos quando começou a trabalhar na empresa de transportes do seu pai. Nessa altura, não havia cabina com grua, por isso tinha de ficar numa cabana durante cargas e descargas.

"Como motorista de transporte de madeira, ficamos a saber onde estão exatamente os cantos do camião e onde está o reboque. Caso contrário, facilmente se fica preso e sozinho na floresta. E temos de estar constantemente atentos à eficiência do combustível e otimizar o consumo, dado que conduzimos sempre com carga máxima", explica.

Desde os 19 anos de idade, quando começou a trabalhar para a Sommens Transport, que era então a empresa de transportes do seu pai, Knatte acompanhou de perto o desenvolvimento dos camiões e dos reboques. Nessa altura, não havia cabina com grua, por isso ele e os seus colegas tinham de ficar numa cabana durante cargas e descargas, todo o ano. E porque os motores eram mais fracos, também era mais habitual os camiões ficarem presos. Antes da introdução do Dynafleet e de o serviço de localização permitir acompanhar cada camião à distância, os motoristas de transporte de madeira que ficavam presos na floresta dependiam inteiramente dos seus próprios engenhos. Knatte recorda-se de várias vezes em que teve de ir à procura de colegas que não voltaram no final do turno.

Knatte com o concessionário Volvo

Knatte junto ao seu concessionário Volvo local, Johan Ejdehage. Atualmente, a sua empresa utiliza camiões Volvo FH16 com motores de 750 cv.

"O pior era a incerteza. Atualmente, posso acompanhar sempre onde estão os meus camiões e ver se estão a circular ou parados. Isso permite uma verdadeira tranquilidade, para mim e para os meus funcionários", diz.

Atualmente, os camiões Volvo FH16 de Knatte estão equipados com motores de 750 cv para facilitar o arranque do conjunto de veículo pesado de 64 toneladas em terreno difícil. Também tem a I-Shift desde que a caixa de velocidades foi introduzida e acredita que a mesma, juntamente com a Direção Dinâmica Volvo, contribuiu para uma experiência de condução mais confortável e tranquila.

"Estou muito mais descansado depois de um turno de trabalho atualmente do que quando comecei como motorista", diz enquanto sai da cabina com grua.

Esta é a segunda viagem do dia para Knatte. Como começou a trabalhar às quatro da manhã, faz uma pausa para dar uma olhadela à floresta. Apesar de estar a apenas 30 quilómetros dos escritórios da empresa em Tranås, nunca aqui esteve antes. Muitos proprietários de terrenos apenas cortam árvores num determinado ponto uma vez na vida, pelo que as áreas para carregar madeira variam todos os dias. Knatte sente-se muito responsável pelos clientes cujo trabalho de uma vida está a transportar e acredita que tem uma função fundamental na cadeia de abastecimento.

"Sempre me interessei pela floresta por ser tão importante para a Suécia. Todos querem material de construção para as suas casas e papel para a casa de banho. Também desfruto da calma e liberdade da floresta, que é muito importante para mim", diz enquanto entra na cabina do camião para conduzir.
 

Serração Bergs Timber

Knatte vai entregar um carregamento à serração Bergs Timber de Mörlunda, a cerca de 150 quilómetros do local em que recolheu a madeira.

O seu destino é a serração Bergs Timber em Mörlunda, a cerca de 150 quilómetros de onde está agora. Assim que sai das estradas mais difíceis de floresta e entra numa estrada pavimentada do campo, Knatte ativa o cruise control I-Cruise. Também ativa o programa de poupança de combustível I-See que analisa a estrada à sua frente e planeia a condução para que seja o mais económica possível.

"Em estradas pavimentadas do campo ou autoestradas, utilizo estes programas 99 por cento do tempo. Se tiver cruise control, o I-See funciona na perfeição porque o sistema pensa si. Se tentasse conduzir de forma tão económica como o sistema quando conduzo em modo manual, teria de manter uma concentração absoluta todo o dia. Simplesmente não consigo manter esse nível de concentração tanto tempo", diz.

Para ser realmente competente ao nível da condução económica, Knatte diz ser preciso evitar o pedal do acelerador o mais possível e que se pode rolar livremente muito mais do que as pessoas pensam. Também tenta saber como funciona a tecnologia do camião e testar os diferentes sistemas para obter os melhores resultados.

Knatte aponta para o visor e explica como o I-See faz a diferença: "Agora estou a rolar livremente há muito tempo, mas, de outra forma, nunca teria tirado o pé do acelerador tão depressa. Volvo conseguiu mesmo desenvolver um sistema inteligente", diz.
 

O camião de Knatte a virar

No seu trabalho diário, "Knatte" gosta de utilizar funcionalidades com o I-See, a I-Shift, a Direção Dinâmica Volvo, a Elevação do Eixo Tandem, o Dynafleet e o I-Cruise.

Após cerca de duas horas de condução, Knatte vira para a serração e descarrega a madeira. O ar está repleto de serradura e a grande fábrica cheira a madeira fresca. Podem ver-se grandes pilhas de troncos por todo o lado, com as extremidades marcadas e assinaladas com abas para indicar o número da encomenda, o fornecedor e o nome do proprietário do terreno. Knatte marca sua carga antes de iniciar a viagem de regresso.

Hoje, faz a viagem de regresso sem carga, algo que preferia ter evitado. Até há alguns anos, existia uma serração perto de Tranås, mas fechou e Knatte precisou de conseguir novos clientes para garantir carregamentos para casa. Por exemplo, leva alguns carregamentos para a Eksjöhus, um produtor de casas pré-fabricadas que tem uma serração própria a 50 quilómetros de Tranås.

Nas ocasiões em que tem de conduzir sem carga, utiliza sempre a Elevação do Eixo Tandem para reduzir o consumo de combustível. A longo prazo, isso terá impacto, dado que os seus sete camiões andam de um lado para o outro em turnos de 24 horas.

Se tiver cruise control, o I-See funciona na perfeição porque o sistema pensa si.

Bert "Knatte" Johansson

Motorista e transportador

Knatte admite que nem sempre é possível implementar estas boas práticas e que, por vezes, tanto ele como os seus funcionários deixam a eficiência de combustível de lado, especialmente em dias agitados com muito trabalho.

"Nessas situações, é importante compensar o que se perde com o aumento da produtividade. Esse é o equilíbrio fundamental que tento sempre transmitir aos meus motoristas", diz.

Uma pessoa importante para Knatte no que respeita a saber como maximizar os resultados com a tecnologia da Volvo Trucks é o seu concessionário local, Johan Ejdehage, em Rejmes. O pai de Johan vendeu camiões ao pai de Knatte, Bertil, durante 24 anos e, depois de tanto ele como Knatte assumirem os negócios dos pais, eles próprios trabalharam juntos há mais de duas décadas. Johan acompanha normalmente Knatte quando este vai às competições de condução da Volvo e, juntos, falam de como conduzir para obter os melhores resultados.

"Durante a final mundial do Driver Challenge, reparei que muitos outros concorrentes optaram por mudanças manuais, mas eu não. Apenas fiz uma passagem de caixa manual durante uma única subida! Isso demonstra bem que a tecnologia dos camiões Volvo funciona bem", diz Knatte. 

I-See – Poupa até 5 por cento de combustível

Ilustração do I-See


1. Prolonga o ímpeto
O I-See sabe quando uma inclinação que se aproxima, pelo que o camião acelera e mantém-se numa engrenagem mais alta por mais tempo.

2. Evita reduções de velocidade
Evitando mudanças de velocidade desnecessárias, o I-See torna a subida mais suave e mais económica.

3. Limita a velocidade no cume
Quando a descida se aproxima, o I-See impede o camião de acelerar desnecessariamente.

4. Rola em roda livre antes da descida
Para poupar energia e minimizar as travagens, o I-See desengata temporariamente a linha motriz imediatamente antes da uma descida.

5. Controla a travagem em descida
O I-See sabe onde termina uma inclinação e começa a próxima. Aplica os travões auxiliares conforme necessário, para conseguir a máxima eficácia.

Related News

A grande entrega

Uma das maiores máquinas de embalagens de papel está a ser atualmente construída na Suécia. O motorista austríaco Roland Lehbrunner teve de fazer uma longa viagem para entregar dois silos com 22 metros de comprimento no estaleiro de Grums....